sexta-feira, 21 de novembro de 2008

ANACRONIA MINEIRA


Assim como devo, também, expôr nossos problemas...




"SINTO O AR RECHEADO DE MEMÓRIAS
UM GOSTO DE SANGUE NAS IGREJAS
SEUS OLIGARCAS FILHOS DA ANACRONIA
CONTINUAM O LENTO DEVORAR-TE
O CARRO DE BOI NAS AVENIDAS

SANGUE COLONIAL NAS ESQUINAS E PRAÇAS
ROTA DE ESCRAVOS E OURO
POR ESSES RINCÕES NASCERAM AS MINAS
LIGANDO MINEIRAIS AO MAR
ESTRADAS, CAMINHOS, RUELAS
TODAS BROTADAS DO SANGUE

DA ALDEIA SE FEZ METRÓPÓLE
E DOS ESCRAVOS A POBREZA
DA COMPANHIA DAS ÍNDIAS
NASCERAM VALES DE RIOS ELAMEADOS SEM DOUÇURA

SEU HORIZONTE BELO UM DIA
DEPREDADO POR ENTRE A NOITE
E SEUS RESTOS SÃO O PRESENTE
HISTÓRIA DO ANTES E DO AGORA

SUSTENTÁCULO DE UM MUNDO
SEDENTO DE FERRO E MINÉRIO
ASSIM COMO POR HOMENS DESCARTÁVEIS
MONTANHAS SÃO FENDAS NA TERRA
E FINGIMOS QUE NÃO SABEMOS".

2 comentários:

Pedro Henrique disse...

Não entendi direito!
É um blog de poesia?

Tádzio Peters Coelho disse...

Também de poesias, mas não apenas. Em breve colocarei outros tipos de textos.