terça-feira, 2 de junho de 2009

OS LIMITES DO CAPITALISMO


2-) A Miséria:

Existe no modo de produção capitalista a relação entre capital e trabalho, onde um complementa o outro. Mas apesar da múltipla necessidade, o capital deve estar sempre na posição de dominante. Para entendermos o porquê disso arquitetarei uma situação hipotética: o pleno emprego. Esse cenário ocorre quando não há desemprego, todos trabalhadores estão empregados, tal cenário não existe no mundo de hoje. No capitalismo essa população que não tem emprego é chamada de Exército Industrial de Reserva. Nessa situação de pleno emprego os trabalhadores passam a ter o papel dominante, pois podem exigir salários e condições de trabalho melhores sem medo de serem despedidos, visto que não existem desempregados no pleno emprego. Assim o Capital mantém sempre uma vasta taxa de desemprego para manter salários e condições trabalhistas embaixo, auferindo, assim, maiores lucros (relembrando o conceito de mais-valia: o patrão tem lucro na medida em que o trabalhador é pago com um valor menor do que aquele que produziu). Ainda em épocas de crise se despedem mais trabalhadores, o que jogará os salários ainda mais embaixo, devido às pressões do Exército Industrial de Reserva. Uma pessoa miserável é aquela que não consegue saciar suas mais básicas necessidades. São em sua grande maioria desempregadas.
Isso é, o Capitalismo traz consigo a miséria de bilhões, é um de seus pressupostos para realizar o processo de acumulação e concentração. A miséria é estrutural no Capitalismo. Segundo dados da ONU existem hoje 3 bilhões de pessoas abaixo da linha de pobreza e 1 bilhão abaixo da linha de miséria.

2 comentários:

jessyca disse...

Hooooooooo Fessor, deve nem saber quem ée né..
Pois é eu te Odeio tantoo quee vim ver seu Blog!
acho quee fui a Unicaaa..
rsrsrs
E ai passou a Blusaa? to brincandoo
eu gostoo de vc sim ")
adoreii esse seu Blog muitooo muitoo legal, explicativo, intelectual e inteligenteee


beeeeijos

Tádzio Peters Coelho disse...

AHAHAHAH! Só você mesmo Jessyca, e é claro que eu sei quem postou o comentário.
É, pelo jeito você não me odeia tanto. Afinal também gosto de você.
Que bom que veio dar uma olhada, espero que participe com seus comentários inteligentes, assim como faz em classe.
Mas fica a interrogação, quando farão uma vaquinha pra me comprar um ferro de passar roupa?