segunda-feira, 17 de maio de 2010

OURO E SANGUE

(Baseado no prefácio de Jean Paul Sartre para o livro "Os Condenados da Terra" de Frantz Fanon)

O que eu faço com tanto ouro?
O que faço com tanto ouro e sangue?
Tanto sangue
sangue

Que faço com tanto açúcar?
Tanto açúcar e opressão
tanta opressão
opressão

O que faço com tanto petróleo?
O que faço com tanta morte?
Tanta morte
morte

Sou eu a rica metrópole
sou eu o explorador
tanta exploração
exploração

Liberdade transvestida de escravidão
Fraternidade oculta a repressão
Igualdade, retórica da humilhação
A multidão colonizada reage
São os séculos de tirania
embrenhados na minha pele
no meu sangue
sangue.

2 comentários:

Luciana disse...

http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2010/05/cidade-de-parauapebas-cresceu-sem-estrutura-ao-lado-da-mina-de-carajas.html

Achei interessante a reportagem e tem a ver com as discussões propostas no seu blog.

Tádzio Peters Coelho disse...

Muito obrigado pelo link.
E tem tudo a ver com as discussões propostas no blog mesmo.